Se sua dieta inclui mais do que o refrigerante ocasional, um saco de batatas fritas, hambúrgueres ou enlatados, você pode não saber exatamente o que é que você está colocando em seu corpo. Além de potencialmente grandes quantidades de gorduras saturadas e trans, açúcar e sódio, muitos dos alimentos que comemos também incluem aditivos químicos nos alimentos que podem ser prejudiciais para a nossa saúde. Mesmo os alimentos que são considerados saudáveis, tais como laticínios, alguns tipos de peixe e arroz, podem incluir produtos químicos que possuem potencial de dano.

A química nos alimentos: nitratos

Usado para preservar a cor e sabor em carnes e peixes curados, os nitratos podem ser encontrados em carnes processadas, como bacon, carne delicatessen e cachorros-quentes. Em um estudo uma porção diária de 50 g de carne processada foi associada a um risco 42 por cento maior de doença cardíaca e um risco 19 por cento maior de diabetes tipo 2. Nitratos são potencialmente culpados por resultados que mostraram que consumir carnes processadas aumenta o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Pesquisadores observaram em estudos animais que os nitratos podem promover a aterosclerose (endurecimento das artérias) e diminuição da tolerância à glicose nos animais. Os nitratos são conhecidos agentes causadores de câncer em animais. Seu efeito sobre os seres humanos é desconhecido. Você pode diminuir o risco de problemas de saúde associados com nitratos, optando por comer carnes orgânicas, não transformadas, sempre que possível. Uma porção por semana de carne processada está associada com risco relativamente pequeno.

A química dos alimentos: Mercúrio

Temores sobre o mercúrio levaram a uma reação contra comer peixe, o que é lamentável, porque o peixe contém ômega-3, uma gordura saudável. Instituições de saúde incentivam os grupos de risco (incluindo mulheres grávidas, lactantes e crianças) a evitar os peixes de alto mercúrio como tubarão, peixe-espada e cavala. O envenenamento por mercúrio pode causar distúrbios em sensações, a falta de coordenação dos movimentos, perturbações da visão, fala, audição e problemas ao caminhar, além de fraqueza muscular e problemas de desenvolvimento neurológico em crianças. O grau de exposição ao mercúrio é derivado da quantidade e o tipo de peixe comido. O fator chave para a saúde de um indivíduo está relacionada com a quantidade e o tipo de peixe que o indivíduo consome.

A química de alimentos: Bisfenol A (BPA)

O bisfenol A (BPA) é encontrado no revestimento de latas de alimentos e recipientes de plástico. Está também no ar e na água. As pessoas estão expostas a este produto químico potencialmente perigoso, principalmente através da dieta. BPA está atribuído aos alimentos e líquidos, em particular quando um recipiente contendo BPA é aquecido. BPA é um disruptor endócrino e pode desempenhar um papel em cânceres hormonais, tais como câncer de mama e câncer de próstata. BPA também tem sido associada a baixa contagem de esperma, problemas comportamentais, obesidade, diabetes do tipo 2 e de problemas do sistema imunitário. O BPA provavelmente representa pouca ameaça em pequenas quantidades. No entanto, comer quantidades excessivas de alimentos enlatados ou de outra forma sendo exposto a grandes quantidades de BPA pode colocar uma pessoa em risco. Como precaução, a recomendação é limitar o consumo de alimentos enlatados e não aquecer alimentos ou bebidas em recipientes de plástico.

A química nos alimentos: Arsênico

O arsênico é encontrado naturalmente em águas subterrâneas. Quando um número suficiente de arsênico inorgânico fica em água potável ou contamina o solo agrícola, pode ser prejudicial na água que bebemos e alguns alimentos, como o arroz. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a exposição a longo prazo pode levar ao câncer e lesões de pele. Efeitos no desenvolvimento, as doenças cardiovasculares, neurotoxicidade e diabetes também são potenciais problemas. Ao beber água potável, o arsênico não representa um problema, mas cuidado: a população que precisa se preocupar são aqueles que consomem uma alta quantidade de arroz. Isto inclui crianças que são alimentadas com cereal de arroz, bem como veganos e vegetarianos e pessoas com doença celíaca que estão limitando grãos. Dicas para reduzir a exposição ao arsênico para aqueles que comem arroz incluem a lavagem de arroz completamente antes de cozinhá-lo e prepará-lo em uma proporção de seis xicaras de água para uma xícara de arroz.

Tenha uma boa saudável alimentação

Frutas, legumes e verduras de todas as cores, bem lavados e orgânicos: é assim que você foge dos produtos químicos do mal! (Foto: www.asianfoodgrocer.com)

A química dos alimentos: Cores Artificiais

Há um efeito significativamente adverso sobre a atenção quando crianças de 3 anos, 8 e crianças de 9 anos consomem uma bebida contendo corante artificial. Os aditivos para colorir alimentos aumentam a hiperatividade em crianças. Isso levou a União Europeia a pedir a proibição de várias das cores artificiais (incluindo corante azul no. 1 e corante amarelo n º 5). Estudos encontraram uma conexão confiável entre corantes artificiais e de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Os pesquisadores estimam que 8 por cento das crianças com TDAH têm alguns sintomas relacionados com corantes alimentares, e eles recomendam mais pesquisas. Os pais podem proteger os filhos limitando a ingestão de seus filhos de alimentos com corante alimentar.

A química alimentar: Adoçantes artificiais

Os adoçantes artificiais, como aspartame, sucralose, sacarina e acessulfame de potássio pode vir com alguns efeitos colaterais não intencionais. Embora seja lógico acreditar que um refrigerante de baixa caloria ou zero vai tirar calorias de sua dieta. Mas estudos mostram que eles poderiam realmente levar ao ganho de peso. Os adoçantes artificiais não conseguem ativar a via alimentar-recompensa que resulta em diminuição da saciedade após o consumo, o que leva ao aumento do apetite. E como os adoçantes artificiais são tão doces (centenas de vezes mais doces do que o açúcar) eles podem causar a ansiedade pelo açúcar e dependência. Como resultado, bebidas dietéticas podem contribuir para a obesidade e sua infinidade de problemas de saúde, incluindo diabetes.

A química nos alimentos: BHA (Butil Hidroxianisol)

Utilizado em alimentos como conservante e estabilizador, hydroxianisol butilado (BHA), recebe uma classificação de alto risco, representando um alto risco em geral, uma vez que pode representar um risco de câncer para os seres humanos. Ele é possivelmente um carcinógeno humano, com base em evidências de estudos com animais e há fortes evidências de que BHA é um interruptor endócrino, o que significa que afeta negativamente o sistema endócrino e tem efeitos prejudiciais sobre o desenvolvimento e as funções reprodutivas, imunes e neurológicas. Os efeitos exatos da BHA não são ainda muito claros para justificar completamente evitar alimentos com BHA, mas a recomendação é limitar os alimentos que possam usar o preservativo. O exemplo está em muitas batatas fritas, salsichas e cereais que contêm butilados hydroxianisol em suas listas de ingredientes. A solução é comer mais alimentos integrais, não processados.

A química de alimentos: Corante caramelo

Usado mais comumente em colas, corante caramelo é feito pelo aquecimento do açúcar ou um composto de açúcar, como o xarope de milho de alta dextrose, e compostos de amônio, ácidos ou alcalinos. Quando isso é feito com amoníaco, pode conter duas substâncias potencialmente causadores de câncer: 2-metilimidazol e 4-metilimidazol. O 4-metilimidazol entrou no estado da Califórnia nos EUA para uma lista de substâncias causadoras de câncer conhecidas. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, pesquisas recentes descobriram que os níveis seguros de ingestão podem ser menores do que se pensava inicialmente, e a organização apelou aos decisores políticos para pedir aos fabricantes a utilizar alternativas mais seguras. Para reduzir o risco, verifique a lista de ingredientes dos alimentos que você come, de modo que você possa evitar o corante caramelo. Você vai se surpreender ao descobrir que a cor caramelo pode ser encontrada como um ingrediente em mais do que apenas colas e produtos com a palavra caramelo no nome, incluindo algumas carnes fast food.

A química nos alimentos: Dioxina

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as dioxinas são compostos quimicamente relacionados que poderiam ser altamente tóxicos. Como cerca de 90 por cento da exposição humana a dioxinas acontece através dos alimentos (carne, laticínios e peixe), a maioria todo mundo já teve exposição para eles. A OMS adverte que as dioxinas são potencialmente tóxicas e podem causar problemas reprodutivos e de desenvolvimento, problemas hormonais, efeitos sobre o sistema imunológico e câncer. A OMS relata que muitos países dispõem de sistemas para monitorar os níveis de dioxina nos alimentos. A sugestão aqui é limitar o risco, reduzindo a ingestão de produtos de origem animal, como carne e leite.

A química dos alimentos: Os organofosforados

Os organofosforados são alguns dos pesticidas mais comuns usados ​​em práticas agrícolas hoje, e eles podem ser perigosos para as crianças. Há uma possível ligação entre as concentrações urinárias de metabólitos dialquil fosfato de organofosforados e déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em crianças de 8 a 15 anos de idade. A exposição aos organofosforados em níveis comuns entre as crianças, pode contribuir para o surto de TDAH nos últimos tempos. Outros estudos, no entanto, não encontraram nenhuma associação. Mesmo assim, a recomendação é que as crianças devem comer muitas frutas e legumes. Não é possível eliminar a exposição de 100 por cento, só temos de minimizar a nossa exposição. Isso pode ser feito, diz ela, ao escolher frutas e vegetais orgânicos, sempre que possível, e fazer a lavagem de frutas e legumes bem antes de comê-los.

O que você acha dessa análise físico química dos alimentos?

A ingestão de uma dieta saudável, que inclui principalmente uma variedade de alimentos em vez de grandes quantidades de um alimento específico, é a melhor maneira de minimizar o risco de o negativo efeitos das substâncias químicas em alimentos. Quais alimentos ruins estão na sua lista e por quê? O que você acha que as autoridades de saúde devem fazer para proteger os consumidores de produtos químicos potencialmente perigosos nos alimentos? Deixe um comentário abaixo e deixe-nos saber seus pensamentos sobre isso.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.