Dê uma olhada em qualquer creche e escola infantil e geralmente você vai encontrar um monte de crianças muito ativas, cheias de alegria, correndo por todos os lados, lutando e gritando. Nada de anormal nisso. Então, qual é a chance de qualquer um desses filhos naturalmente barulhentos realmente ter déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)?

Dados que variam com a idade

Pesquisas indicam que, se aplicados os critérios para a identificação de TDAH a crianças de 3 anos de idade, 40 por cento poderiam ser diagnosticados como tendo TDAH. No entanto, no momento em que completam 6 anos de idade, aplicando os mesmos critérios, o resultado daria em menos de 5 por cento das mesmas crianças como tendo TDAH. Muito menos irão desenvolver para ter um distúrbio de comportamento mais grave.

O papel importante da maturidade e do desenvolvimento natural

A razão para esta diferença de números quando as crianças ficam mais velhas é que, naturalmente, é normal para as crianças serem muito ativos, lutar, fazerem testes de limites e até mesmo serem desafiadores, até certo ponto e faladores.

Crianças aprendem a cometer erros experimentando, sendo isso uma parte importante do crescimento. Da mesma forma, algumas formas de jogo altamente ativos estão ajudando crianças a desenvolver suas habilidades de pensamento criativo, imaginação e capacidade de resolver problemas. O papel dos pais é orientar o jogo adequado, de limites razoáveis ​​e, em seguida, intervir quando o jogo se torna perigosamente excessivo ou prejudicial.

Uma das principais preocupações para os pais , então, é saber a diferença entre exuberância normal e excesso.

Problemas da generalização do TDAH

Cuidado ao generalizar, pois nem toda hiperatividade é TDAH e nem sequer podem ser doenças. (Foto: iboneolza.wordpress.com)

O que procurar ou ignorar em crianças que podem (ou não) ter TDAH?

As crianças que estão apenas ocasionalmente enérgicas ou que só se tornam demasiadamente ativas em um ambiente específico, raramente se desenvolvem para ter problemas mais graves. Se a sua criança é assim com outras crianças turbulentas mas sossega em outro lugar, você não precisa estar muito preocupado.

A maioria das crianças que desenvolvem TDAH ou condições de hiper-excitação são tipicamente muito constantes e intensas em seu comportamento. Eles não têm qualquer inibição, são sempre impulsivos, constantemente cansativos e quase nunca são calmos e atentos.

Se o seu filho é ocasionalmente simplesmente impertinente, mas pode aceitar alguma direção ou disciplina, é menos uma preocupação. Da mesma forma, se o seu pequeno pode aceitar que eles fizeram algo errado e mostrar um futuro auto-controle, é provável que uma educação consistente, uma boa definição de limite e reconhecimento positivo para o bom comportamento com calma vai fazer a diferença.

No entanto, se a criança não consegue controlar os impulsos, é constantemente hiperativo e deliberadamente intencional, ou não pode exercer o autocontrole, então a intervenção precoce e ajuda profissional é essencial. Se a criança se torna tão hiperativa que ele é prejudicial para os outros ou abusivo, ele precisa de apoio e orientação profissional, em vez de simplesmente esperar que ele irá crescer para fora dos problemas de comportamento hiperativo.

Cuidados com a generalização médica

Nem todas as crianças hiperativas consistentemente serão diagnosticadas com TDAH, no entanto, porque o seu padrão de comportamento particular pode sugerir um tipo diferente de problema. Entre as possibilidades são problemas hiper-excitação, transtorno de integração sensorial ou até mesmo problemas alimentares. Há também algo chamado desafiador opositivo que possa caber em alguns casos de crianças hiperativas muito impertinentes.

Se o seu filho não está respondendo bem aos seus esforços, pergunte ao seu médico de família ou até mesmo funcionários de confiança para encaminhá-lo a alguém para a ajuda profissional, como um pediatra ou psicólogo infantil que pode avaliar o seu filho. Evite usar a internet para fazer um diagnóstico, já que a informação pode ser perigosamente enganosa, e não entre em pânico, pois existem soluções positivas para a maioria dos comportamentos infantis.

Tratamento comportamental

Você nunca deve confiar apenas em pílulas. Uma criança precisa de ajuda para desenvolver habilidades sociais e superar o estigma de ser impertinente, agressivo ou anti-social. É necessário que a criança aprenda a auto-regulação do comportamento e exigir explicações para a dificuldade de aprendizagem baseado em memória, muitas vezes associada com TDAH. O trabalho de um psicólogo e um pediatra em conjunto neste momento te dará a orientação necessária para reforçar os comportamentos de auto controle e reduzir os comportamentos impulsivos de sua criança. É um trabalho de pura paciência, repetição, e que leva algum tempo para funcionar. Mas garanto que seus esforços serão constantemente recompensados pela alegria de seus pequenos.

Conhece alguém com TDAH? Como foi feito o diagnóstico? Como essa pessoa lida com o TDAH dela mesma e/ou de seus filhos?

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.