O gás é um subproduto normal dos alimentos que comemos. Como o sistema digestivo quebra alimento, ele produz gás, o qual é composto principalmente por dióxido de carbono, oxigênio, azoto, hidrogênio e metano.

Normalmente, nós eliminamos gás através da boca (arroto) ou através do ânus (flatulência). Nós normalmente passamos o gás em torno de 20 vezes por dia. O gás é uma ocorrência comum, mas a sua presença pode ser dolorosa e socialmente embaraçosa.

O que provoca o gás?

Nós produzimos gás de duas maneiras: quando engolimos ar e quando as bactérias no intestino grosso trabalham ajudando a digerir o alimento que nós comemos.

Os carboidratos são especialmente problemáticos. Os seres humanos não conseguem digerir certos carboidratos no intestino delgado, porque nós não podemos ter (ou não temos o suficiente) enzimas que podem ajudar na sua digestão. Este alimento move no estado não digerido no intestino delgado para o intestino grosso, é aqui que as bactérias vão ao trabalho, produzindo o gás de hidrogênio, dióxido de carbono e metano, que são, então, expelidos a partir do corpo.

Nem todo mundo vai sofrer gases ao comer os mesmos alimentos

Também engolimos uma certa quantidade de ar, quando nós comemos e bebemos. Isto contribui para a produção de gás. Costumamos liberar o ar engolido por arrotos. Tudo o que não é libertado por arrotos entra no intestino delgado ou intestino grosso, onde é finalmente libertado como flatulência.

Quais alimentos são mais propensos a produzir gás?

Você é mais provável que tenha a experiência de ter gases por comer carboidratos, que são encontrados em alimentos como feijão, legumes (especialmente brócolis, repolho e cebola), frutas, laticínios, cereais integrais, refrigerantes e sucos de fruta. Alergias podem piorar ainda mais essa situação.

Quais são os sintomas de gases?

Além de arrotos e flatulência, as pessoas que têm gases podem se sentir inchadas. Eles também podem ter dor no abdômen, que eles podem confundir com outra doença, como um ataque cardíaco ou apendicite.

Gases podem ser um sinal de um problema médico?

Sim. Arroto crônico pode ser um sinal de doença no trato digestivo superior, tais como úlceras ou doença do refluxo gastroesofágico.

Inchaço pode ser causado por uma variedade de doenças, incluindo a síndrome do intestino irritável, câncer do cólon, doença de Crohn ou por uma hérnia. Dores constantes na barriga podem também demonstrar a mesma coisa, além de é claro, alergias.

Gases e problemas no estômago que podem mostrar outros problemas

Dores de barrigas e gases constantemente podem ser sinais de muitas coisas. O certo a se fazer é se consultar com um médico para diagnosticar o problema. (Foto: www.livestrong.com)

Como são doenças relacionadas com os gases diagnosticadas?

Uma vez que a dieta é a principal causa do gás, o seu médico vai querer saber sobre os alimentos que você come e seus sintomas. Ele ou ela pode pedir-lhe para manter um registro do que você come e bebe para ajudar a identificar alimentos agressores. Você também pode ser solicitado para manter o controle de quantas vezes por dia você passa os gases.

Você pode ter que eliminar determinados alimentos de sua dieta. Por exemplo, se a intolerância à lactose (lactose é um tipo de açúcar encontrado em produtos lácteos) é suspeita de causar o gás, provavelmente você vai ter que limitar o seu consumo de produtos lácteos.

Como são doenças relacionadas com os gases diagnosticadas?

Se o inchaço é um problema, o médico pode examinar seu abdômen para o som do movimento de fluidos para afastar ascite (acúmulo de líquido no abdômen) e para sinais de inflamação para descartar certas doenças do cólon.

A possibilidade de câncer de cólon é geralmente considerado em pessoas com 50 anos ou mais e aqueles com história familiar de câncer colorretal, especialmente se eles nunca tiveram um exame do cólon (sigmoidoscopia ou colonoscopia). Estes testes podem também ser adequados para alguém com sintomas como perda de peso inexplicada, diarreia ou sangue nas fezes.

Para aqueles com arrotos crônicos, o médico irá procurar por sinais ou causas de deglutição excessiva de ar. Se necessário, uma série de raios-X para visualizar o esôfago, estômago e intestino delgado podem ser realizados para descartar doenças.

Quais são os tratamentos para gases?

Problemas de gases são tratados por mudar sua dieta e treinando-se para engolir menos ar. Existem também medicamentos de prescrição que podem ajudar a reduzir os gases.

Mudar sua dieta significa eliminar os alimentos que causam gases. Infelizmente, isso também pode resultar na eliminação de alimentos nutritivos. Pergunte ao seu médico ou um nutricionista para ajudá-lo a construir uma dieta que é saudável, mas não provoca gases.

Medicamentos presentes em qualquer kits de primeiros socorros também pode aliviar os sintomas de gases, incluindo:

  • Antiácidos: especialmente aqueles que contêm simeticona;
  • Probióticos: usados para ajudar a matar as bactérias ruins e adicionar bactérias boas para o sistema digestivo;
  • Produtos de lactase: podem ajudar as pessoas com intolerância à lactose;
  • Beano: contém a enzima que ajuda a digerir açúcares em feijões e muitos outros vegetais.

Algumas pessoas tem uma desordem digestiva em que o movimento normal do trato gastrointestinal é limitado (desordem da motilidade), tais como a síndrome do intestino irritável. O seu médico pode prescrever alguns medicamentos para ajudar a mover alimentos através de seu sistema digestivo. Drogas que melhoram a motilidade do trato digestivo, pode deslocar o gás através do trato digestivo mais rapidamente.

O que posso fazer para engolir menos ar e reduzir o gás?

A fim de reduzir a quantidade de ar que você engole e reduzir o gás, você pode tenta não mastigar chicletes ou comer doces duros, desacelerar quando você estiver comendo. Se você usar dentaduras, verifique se elas se encaixam corretamente.

Não se esqueça: nada de achar ou assumir coisa sem antes ir ao seu médico.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.