Existem alguns efeitos secundários possíveis que ocorrem após cada doação de plasma, também conhecida como doação de plaquetas. Não são riscos muito graves, nem que ofereçam muitos problemas para você, mas é bom conhecê-los para não ser pego de surpresa.

Doação de plaquetas: efeitos colaterais

Você provavelmente vai notar que cada vez que você doa, você sente muita sede. Os perigos de ficar desidratado ao doar fluidos corporais (incluindo o plasma, plaquetas, sangue) incluem danos às veias ao longo do tempo, causando um endurecimento com marcas de cicatrização.

Para evitar isso, beba água, leite ou suco em boas quantidades antes de doar, e beba muitos líquidos assim que você fizer a doação, mesmo se você não sentir sede.

Já sobre a cicatrização, ela geralmente ocorre devido a não comer o suficiente antes da doação, ou por você estar desidratado. A desidratação é também uma das principais causas de muitos outros efeitos nocivos que estão associados com doação de plasma, tais como tonturas e fraqueza.

A grande maioria dos efeitos colaterais da doação de plaquetas está então relacionada a um não preparo apropriado para a doação.

Função da doação da plaquetas

A doação de plaquetas é essencial para muitas pessoas que estão na necessidade desses componentes no sangue, para fortalecer o sistema imune, e não há muitos riscos na doação das plaquetas. (Foto: www.af.mil)

Doar plaquetas é perigoso?

Doações frequentes diminuem os níveis plasmáticos de imunoglobulinas séricas, possivelmente aumentando o risco de infecção, diminuindo o seu sistema imunitário. Só que essa redução não é significativa, e um organismo saudável é capaz de repor essas plaquetas em poucos dias. Em 30 dias você poderá doar plaquetas novamente, sem qualquer risco para sua saúde.

Doação de plaquetas por aférese: entenda para ver que não há riscos

O processo de retirar as plaquetas do corpo para a doação é chamado de aférese. Todo o processo de doação, não é complicado: O plasma é composto de 70% de água normal e salgada. Uma agulha grossa o suficiente é usada para assegurar que as células do sangue não serão danificadas durante o retorno do sangue para o doador, enquanto o sangue é separado do plasma por uma máquina especializada e então, retornar para o paciente. Todo o material usado é descartável, e seu sangue não tem contato algum com o sangue de outras pessoas antes de retornar para você.

Doação de plaquetas: riscos de curto e longo prazo

Se você é um doador de plaquetas frequente, você vai sentir alguns efeitos colaterais de curto prazo após a doação. Estes efeitos incluem desidratação, sensação de cansaço, dor no peito, pulso fraco ou rápido, tontura ou um braço dolorido. Mas esses efeitos colaterais passam rapidamente Há mais desvantagens para doadores de longo prazo do que doadores não frequentes.

Doadores de longo prazo terão os níveis de imunoglobulina reduzidos, o que afeta o sistema imunológico e coloca os doadores em risco de complicações de saúde graves. A pessoa começa a se sentir fisicamente prejudicada e pouco saudável depois de doar por muitas vezes.

Ao longo do tempo, possíveis complicações da doação de plaquetas incluem a diminuição da serotonina e níveis de endorfina no sangue, podendo resultar em depressão, transtornos mentais, e aumento da ansiedade ou ataques de pânico. Aqueles em risco ou com diagnóstico prévio de depressão ou ansiedade social devem evitar a doação de plaquetas.

Há riscos para quem vai receber as plaquetas?

Não há qualquer risco. O plasma que carrega as plaquetas passa pelo mesmo crivo de exames pelos quais o sangue de doações passa. Geralmente, os riscos de quem recebe as plaquetas estão associados às doenças que as pessoas já estão passando.

Doação de plaquetas: para que serve?

O plasma é um líquido amarelo composto principalmente de água e algumas proteínas que são essenciais para o bom funcionamento do corpo. No plasma, existem componentes essenciais para o sistema imunitário do organismo, tais como as plaquetas, que são importantes componentes na coagulação do sangue. A doação desses componentes é importante para pessoas que estão em déficit desses componentes no organismo, como pessoas que estão com câncer na medula, leucemia, ou que tiveram que passar por cirurgias muito delicadas.

Com qual frequência você pode doar plaquetas?

Você pode doar plaquetas a cada 30 dias.

Como se doa plaquetas?

É ideal que você já tenha doado sangue pelo menos uma vez. Ligue para o Hemocentro de sua cidade e faça o agendamento de uma doação de plaquetas. Será feita uma contagem de plaquetas antes da doação, que deve estar em um valor superior a 150.00/mm³. Sete dias antes da doação, você deve interromper o uso de ácido acetilsalicílico (Aspirina, AAS, entre outros medicamentos para “ralear o sangue”), e anti-flamatórios não-hormonais.

O que fazer depois da doação de plaquetas?

Depois da doação de plaquetas, deixe o trabalho pesado de lado por até 48 horas, beba muitos líquidos, se alimente muito bem com alimentos saudáveis, e capriche nos alimentos com vitamina C para reforçar as defesas do organismo.

Se ficou ainda alguma dúvida sobre a doação de plaquetas, deixe suas perguntas nos comentários. Estamos aqui para te ajudar e colaborar para que mais pessoas contribuam nessa atitude tão importante para tantas pessoas ao redor do mundo.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.