Burnout é um dos perigos do mundo moderno para o qual todos devem estar realmente atentos. Muitas vezes por causa das personalidades das pessoas que pensam ser possível fazer tudo, as pessoas vêem isso acontecer. Como as pessoas são muitas vezes tão apaixonadas pelo que elas fazem, elas tendem a ignorar o fato de que eles estão trabalhando horas excepcionalmente longas, assumindo cargas de trabalho extremamente pesadas e colocando uma pressão enorme sobre si mesmos para se destacar, o que os torna mais propensos o burnout.

Síndrome de burnout: o que é?

Burnout é um estado de estresse crônico que leva a um estado de exaustão física e emocional, cinismo e desapego, sentimentos de ineficácia e falta de realização. Quando estiver com a síndrome de burnout plena, você não pode mais funcionar de forma eficaz a nível pessoal ou profissional. No entanto, o burnout não ocorre de repente. Você não acorda uma manhã e, de repente, “tem burnout”. Sua natureza é muito mais gradual, se aproximando de nós ao longo do tempo, o que o torna muito mais difícil reconhecer. Ainda assim, nossos corpos e mentes nos dão avisos, e se você sabe o que procurar, você pode reconhecê-lo antes que seja tarde demais.

Os sintomas da síndrome de burnout

Certos sinais e sintomas existem ao longo de um continuum. Em outras palavras, a diferença entre o estresse e o burnout é uma questão de grau, o que significa que quanto mais cedo você reconheça os sinais, mais capaz será evitar o burnout (se você fizer algo para resolver os sintomas quando os reconhecer).

Síndrome de burnout

O burnout é um dos problemas mais graves da sociedade atual, podendo levar até ao suicídio se não for tratado. (Foto: Paula Davis-Laack)

Sentimentos de exaustão física e emocional do burnout

Fadiga crônica. Nos estágios iniciais, você pode sentir falta de energia e sentir-se cansado a maioria dos dias. Nos últimos estágios, você se sente fisicamente e emocionalmente exausto, drenado e esgotado, e você pode sentir uma sensação de medo pelo que está à frente de você em qualquer dia.

Insônia. Nos estágios iniciais, você pode ter problemas para adormecer ou ficar dormindo uma ou duas noites por semana. Nos últimos estágios, a insônia pode se transformar em uma provação persistente e noturna. De tão exausto que você fica, você não consegue sequer dormir.

Esquecimento, concentração e atenção prejudicadas. A falta de foco e o esquecimento são sinais iniciais. Mais tarde, os problemas podem chegar ao ponto em que você não pode fazer o seu trabalho e tudo começa a se acumular.

Sintomas físicos. Os sintomas físicos podem incluir dor torácica, palpitações cardíacas, falta de ar, dor gastrointestinal, tonturas, desmaios e/ou dores de cabeça, todos os quais devem ser avaliados medicamente.

Aumento de doenças. Como seu corpo está esgotado, seu sistema imunológico fica enfraquecido, tornando-o mais vulnerável a infecções, resfriados, gripe e outros problemas médicos relacionados à imunologia.

Perda de apetite. Nos estágios iniciais, você pode não sentir fome e pode ignorar algumas refeições. Nos últimos estágios, você pode perder o apetite e começar a perder uma quantidade significativa de peso.

Ansiedade. No início, você pode sentir sintomas leves de tensão, preocupação e irritabilidade. À medida que você se aproxima do burnout, a ansiedade pode tornar-se tão séria que interfere na sua capacidade de trabalhar de forma produtiva e pode causar problemas na sua vida pessoal.

Depressão. Nos estágios iniciais, você pode sentir-se triste, ocasionalmente sem esperança, e você pode sentir sentimentos de culpa e inutilidade como resultado. Na pior das hipóteses, você pode se sentir preso, severamente deprimido e pensar que o mundo seria melhor sem você. Se a sua depressão está já neste ponto, você deve procurar ajuda profissional imediatamente.

Raiva. No início, isso pode apresentar-se como tensão interpessoal e irritabilidade. Nos últimos estágios, isso pode se transformar em explosões de raiva e discussões sérias em casa e no local de trabalho. Se a raiva chegar ao ponto em que se volta para pensamentos ou atos de violência em relação a familiares ou colegas de trabalho, procure assistência profissional imediata.

Sentimentos de cinismo e desapego do burnout

Perda de prazer. No início, a perda de prazer pode parecer muito leve, como não querer ir ao trabalho ou estar ansioso para sair dele. Sem intervenção, a perda de prazer pode se estender a todas as áreas da sua vida, incluindo o tempo que você gasta com familiares e amigos. No trabalho, você pode tentar evitar projetos e descobrir maneiras de escapar do trabalho.

Pessimismo. Em primeiro lugar, isso pode se apresentar como auto-fala negativa e/ou passar de uma atitude de “copo meio cheio” para uma atitude de “copo meio vazio”. No pior dos casos, isso pode ultrapassar o que você sente sobre você e se estender aos problemas de confiança com colegas de trabalho e membros da família e um sentimento de que você não pode contar com ninguém.

Isolamento. Nos estágios iniciais, isso pode parecer uma resistência leve à socialização (ou seja, não querer sair para almoçar, fechar a porta ocasionalmente para evitar que outros saibam que você está ali). Nos últimos estágios, você pode ficar bravo quando alguém falar com você, ou você pode entrar mais cedo ou sair mais tarde para evitar interações.

Distanciamento. O desapego é um sentimento geral de sentir-se desconectado dos outros ou do seu ambiente. Pode assumir a forma dos comportamentos isolantes descritos acima e resultar em se remover emocional e fisicamente de seu trabalho e outras responsabilidades. Você pode ligar dizendo que está doente muitas vezes, parar de retornar chamadas e emails, ou regularmente chegar atrasado.

Sentimentos de ineficácia e falta de realização do burnout

Sentimentos de apatia e desesperança. Ele se apresenta como um senso geral de que nada está indo certo ou nada importa. À medida que os sintomas pioram, esses sentimentos podem tornar-se imobilizadores, fazendo com que você perca o que é o objetivo.

Maior irritabilidade. A irritabilidade geralmente decorre de sentir-se ineficaz, sem importância, inútil e uma sensação cada vez maior de que você não consegue fazer as coisas de forma eficiente ou efetiva como você fez uma vez. Nos estágios iniciais, isso pode interferir nas relações pessoais e profissionais. Na pior das hipóteses, pode destruir relacionamentos e carreiras.

Falta de produtividade e mau desempenho. Apesar de longas horas, o estresse crônico impede que você seja tão produtivo quanto antes, o que muitas vezes resulta em projetos incompletos e uma lista de tarefas cada vez maior. Às vezes, parece que, não importa o quanto você tentar, você não pode sair do fundo do poço.

Síndrome de burnout: tratamento

Se você não está enfrentando nenhum desses problemas, isso é ótimo! No entanto, você deve manter estes sinais de alerta em mente, lembrando que o burnout se arrasta com você enquanto vive sua vida ocupada. Se você estiver sofrendo alguns desses sintomas, esta deve ser uma chamada de despertar que você pode estar em um caminho perigoso. Tire algum tempo para avaliar honestamente a quantidade de estresse em sua vida e encontrar maneiras de reduzi-lo antes que seja tarde demais. Burnout não é como a gripe; Não desaparece depois de algumas semanas, a menos que você faça algumas mudanças em sua vida. E, o mais difícil que pareça, é a coisa mais inteligente a fazer, porque fazer algumas poucas mudanças agora irá mantê-lo na corrida com um monte de gás para chegar até a linha de chegada.

Para esse tratamento, não adianta tentar apenas uma solução natural. Você precisa procurar um psicólogo e um psiquiatra para começar um tratamento eficiente para o problema. Esse tipo de tratamento é o mais eficiente e adiá-lo para buscar opções naturais pode, na verdade, acabar prejudicando ainda mais sua saúde.

Você já teve burnout ou está tratando? Como está sendo lidar com o problema?

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.