Estar diante de um diagnóstico de uma doença terminal ou crônica é algo que ninguém quer pensar. Em muitos aspectos , isso faz sentido: quem iria querer gastar tempo pensando sobre como eles reagiriam se eles receberam um diagnóstico de algo parecido com um câncer terminal, ou a doença de Lou Gehri, ou a esclerose múltipla? No entanto, mais cedo ou mais tarde, muitas pessoas vão ser confrontadas com um diagnóstico grave. E isso pode deixar você sentir oprimido, com medo, e só. Mas existem maneiras de se ajudar a si mesmo lidar com a notícia e viver bem com a doença.

Receber o diagnóstico

Estar no lado da recepção de tal má notícia é muito pesado, mesmo para a pessoa mais forte, mais bem ajustada para lidar. Receber o diagnóstico é como levar um soco no estômago. O choque nunca desaparece totalmente. Na maioria dos dias, você ainda tem um momento em que dirá para si mesmo, em surpresa, que você tem a doença.

Depois do choque inicial, muitas vezes surgem uma enxurrada de emoções. É importante lembrar que ter fortes sentimentos é algo completamente natural e não deve te envergonhar. Pode haver uma mistura de negação, frustração, raiva e tristeza. Mas passar por essas emoções ajuda a lidar com a notícia e é importante encontrar maneiras de processar esses sentimentos.

Outra maneira de lidar com o diagnóstico é canalizar alguns dos sentimentos iniciais de uma forma produtiva. Ao avaliar a realidade da situação, muitas vezes é tentador para uma pessoa para voltar a cair na pergunta “Por que eu? ” Mas essa pergunta é uma estrada que leva a lugar nenhum. Se você se perguntar “Deus, por que eu?” sobre as coisas ruins, então deve também perguntar “Deus, por que eu?” sobre as coisas boas que aconteceram na sua vida.

Lidar com a sua nova realidade

Há tanto um aspecto físico quanto mental para lidar. Ao lidar com a depressão e ansiedade que vem com um diagnóstico sério, as pessoas muitas vezes podem parar de cuidar de si mesmas fisicamente. Elas realmente precisam de uma abordagem holística para o tratamento, o que inclui dieta , exercício e medicação.

O exercício diário , mesmo que seja de baixo impacto e somente por 30 minutos, é crucial. Mesmo com uma doença tão fisicamente destrutiva, a rotina diária deve ter algum alongamento, exercício aeróbico e, embora o exercício possa ficar cada vez mais difícil, a ideia é nunca desistir.

Mentalmente , há um número de técnicas de redução de tensão que podem ajudar. Meditação e exercícios respiratórios são úteis. Para aqueles com inclinações religiosas, a oração pode ser muito útil. O riso e o bom humor podem fornecer uma breve pausa de suas preocupações, mas, mesmo uma breve pausa mental pode ajudá-lo através de um dia difícil.

Focar no hoje também é útil para a sua saúde mental. Ficar preso em quando virá o fim ou o quão difícil é a doença (ou até mesmo os tratamentos, no caso de quimio ou radioterapia) é contra-produtivo. Apenas se concentre em passar cada dia. Se você tentar fazer mais do que isso, o pensamento provavelmente vai deixá-lo sobrecarregado e deprimido.

Se a depressão se instala por causa de um diagnóstico, pode ser comum para uma pessoa se retirar e isolar-se dos outros. Além da depressão, as pessoas doentes podem retirar os outros, porque ele/ela não querem sujeitar amigos ou entes queridos à sua deterioração. Mas isolar-se só vai diminuir a sua qualidade de vida. Continue a passar o tempo com as pessoas que você ama e que continuam a fazer as atividades que você ama.

Ter um bom apoio é fundamental. É importante não apenas ter o apoio da família e dos amigos, mas ter um bom senso de confiança e relacionamento com seu médico e enfermeiros. Eles vão ser uma parte importante de sua vida pós-diagnóstico. Se você está desconfortável com o seu médico, você deve procurar imediatamente um profissional de saúde em quem você confia.

Ver um terapeuta profissional ou participar de terapia de grupo pode ajudar. Conversando com outras pessoas e fornecendo suporte para outras pessoas passando por doenças similares pode ser uma grande ajuda para qualquer um que atravessa uma doença como câncer ou esclerose múltipla. Mesmo se você tem um forte grupo de familiares e amigos para apoiá-lo, a ajuda de um profissional de saúde mental pode ser necessária e também é muitas vezes aconselhável para os membros da família que lidam com a doença de um ente querido.

Atacando a doença incurável

Carinho. Esta foi e sempre será a melhor forma de lidar com qualquer problema que você enfrentar na sua vida. (Foto: www.china.org.cn)

Uma boa maneira de viver a vida

O conselho que um especialista daria a um paciente que sofre de uma doença incurável é um bom conselho para qualquer pessoa, em qualquer estado de saúde. As pessoas precisam chegar a uma aceitação de sua própria mortalidade e, em seguida, concentrar-se sobre o que exatamente eles querem fazer com o seu tempo.

A compaixão e perdão sobre si mesmos e aqueles ao seu redor também são boas ideias. Se você teve uma briga com um amigo ou membro da família, esta é uma oportunidade para fazer as coisas direito. É também uma chance de perdoar a si mesmo por coisas que não foram capazes de realizar ou os erros que você fez . Nós ferimos os outros e nós somos feridos por outros e não conseguimos todas as coisas que queríamos alcançar.

Essas estratégias são úteis para pessoas de todas as idades e níveis de saúde. Não há nenhuma data definida para a morte. Isso pode acontecer a qualquer momento. A melhor maneira de viver é enfrentar sua mortalidade a cada dia.

Se você viver dessa maneira quando você estiver saudável, isso pode ajudá-lo a enfrentar uma doença grave. Você não terá o fardo de arrependimentos e possibilidades. Se você vive sua vida de uma forma que te faz feliz, você não vai ter arrependimentos. Você não vai se apegar a vida demais porque você realmente viveu a sua vida bem e plenamente.

Como ajudar um ente querido?

Se você tiver um ente querido enfrentando um diagnóstico sério, muitas vezes, a melhor coisa que você pode fazer é simplesmente ouvir. Você não deve esperar para entregar algum conselho profundo que vai fazer a pessoa amada se sentir melhor. Ele/ela vai ter dias ruins com irritabilidade, raiva e depressão. É natural. Deixe-os desabafar com você e seja um ouvido simpático. Às vezes não há nada que você pode dizer para fazê-los se sentirem melhor.

Além de ouvir, você pode ajudar seu ente querido para se sentir habilitado, ajudando-os com a pesquisa sobre as opções de tratamento para a sua condição e para ajudá-los a fazer as coisas que gostam de fazer, se eles precisam de assistência física em se locomover.

Encontrar sua própria maneira

Não há duas pessoas que vivem suas vidas da mesma maneira e não há duas pessoas a lidar com a adversidade ou más notícias da mesma forma. É importante lembrar que as pessoas têm diferentes mecanismos de enfrentamento, de modo que o que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. No final, você tem que encontrar o que funciona para você. Não há nenhum ingrediente secreto em nada disso.

Você já teve que lidar com um diagnóstico difícil para você ou sua família? Como foi lidar com este momento?

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.