A cromoterapia ou terapia das cores é a utilização de cores para o tratamento de condições médicas. É usada para uma variedade de condições, incluindo depressão, ansiedade, estresse, fadiga, dor, cólicas, dor de cabeça, enxaqueca, diabetes, pressão alta, asma, tosse, entre outras. Não há educação ou formação para os profissionais da cromoterapia, não sendo esta uma prática da medicina tradicional.

Como a cromoterapia funciona?

Médicos que a utilizam acreditam que a cor pode ser usada para corrigir desequilíbrios de energia, que são a causa da doença. Cores ou luzes específicas para pontos específicos do corpo chamados “chakras” são apicadas. Diferentes cores têm efeitos diferentes. Por exemplo, o vermelho é pensado como responsável em aumentar a taxa de pulso, pressão arterial e freqüência respiratória. Por conseguinte, é muitas vezes utilizado para as condições circulatórias. Azul é acreditado por causar relaxamento e calma. Portanto, azul é usado para dores de cabeça, dores, cólicas, estresse e outras condições.

Estudos disponíveis sobre a cromoterapia

Ainda há muitos poucos estudos científicos sobre o uso da cromoterapia em tratamentos, a grande maioria ainda inconclusivo sobre seus efeitos em doenças e problemas dos pacientes. Não se pode afirmar que ela funciona ou não, pode-se dizer apenas que ela é um tratamento alternativo sem efeitos colaterais comprovados e que pode causar um efeito placebo positivo no paciente. Ela também não anula os tratamentos tradicionais, sendo necessário que o paciente não ache que a cura vira milagrosamente com as cores.

Falta de comprovação da cromoterapia

Apesar de ser muito divulgada como terapia alternativa, ainda há muito poucas evidências que comprovem a eficácia da cromoterapia. (Foto: www.primecursos.com.br)

Crítica à cromoterapia

A cromoterapia tem sido considerada uma pseudociência por seus críticos, que afirmam que a falseabilidade e verificabilidade de condições necessárias para julgar uma experiência válida não estão sendo atendidas e, portanto, que não foi provado que a introdução de cores é o elemento chave no processo de cura, de seus pacientes. Ela também tem sido criticado por viés de seleção nas estatísticas de sucesso no tratamento. Também tem sido sugerido que o efeito placebo pode ser um fator chave na cicatrização de alguns pacientes, os quais poderiam ser testados com um grupo de controle pra comprovar o efeito placebo.

A fotobiologia, o termo para o estudo científico contemporâneo dos efeitos da luz sobre os seres humanos, substituiu o termo cromoterapia, em um esforço para separá-lo de suas raízes na mística vitoriana e despojá-lo de suas associações com simbolismos e magia. A terapia com a luz é uma abordagem terapêutica específica, usando luz de alta intensidade para tratar distúrbios do sono, pele e humor específicos, diferente da cromoterapia.

Vale lembrar sempre que tratamentos alternativos podem ser positivos, desde que usados em conjunto com tratamentos tradicionais e com sua eficiência comprovada.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.