Olá pessoal, tudo beleza? Neste de artigo de hoje vamos falar de um assunto muito importante, os cuidados que o corredor precisa ter com a saúde do seu coração. Vejam quais são os maiores riscos e como evitá-los.

Segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, atualmente em nosso país cerca de 40 milhões de pessoas convivem problemas no coração. Se você sente batimento cardíaco irregular, palpitações, sensação de esmagamento ou aceleração cardíaca fique atento.

Os principais sintomas da arritmia cardíaca são estes citados acima. Os problemas de coração podem ser desencadeados por diversos fatores que faz com que as contrações musculares aconteçam de forma desordenada ou até que ele pare de bater.

A pessoa pode sentir uma angina que é o nome dado para a forte dor no peito, além de sofrer um infarto, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral ou até mesmo vir ao óbito.

A pessoa que já sofre ou apresenta probabilidades de desenvolver problemas cardiovasculares deve ter atenção redobrada quanto à saúde do coração, principalmente aquelas pessoas que gostam de correr ou pretendem começar.

O que fazer?

A melhor forma de iniciar atividade física em segurança é buscar um médico e realizar os exames para obter a liberação para praticar atividade física. Estes exames podem apontar ou não riscos diversos à sua saúde, inclusive problemas cardiovasculares.

Os especialistas alertam que as pessoas que tem histórico familiar façam este exame ainda mais detalhado, ou seja, essas pessoas devem buscar um cardiopata. Este médico especialista irá fazer uma detalhada avaliação cardiológica baseada nos antecedentes.

Problemas de coração e atividade física

Quem tem problema de coração pode correr?

Como evitar problemas cardiovasculares ao correr?

Após receber a liberação do cardiologista, você deve buscar imediatamente a orientação de um Educador Físico. Se essa orientação é fundamental para manter a boa saúde das pessoas que não tem problema do coração, imagine para quem tem.

O Educador Físico tem a capacitação necessária para dosar o treinamento sem colocar em risco a sua saúde. É muito importante informá-lo sobre seu problema e apresentar os resultados dos exames realizados antes de montar a planilha de treinamento.

É importante compreender que as pessoas que tem problema do coração não podem ser expostas a grandes desafios por questões óbvias de segurança. Sendo assim, é natural que os treinos sejam mais leves e as distâncias percorridas bem menores.

Os especialistas criaram uma técnica interessante para controlar esta intensidade do exercício para este grupo específico, eles trabalham sempre dentro da chamada zona de conforto.

A alimentação é fator importantíssimo para quem tem problema de coração e quer praticar atividade física. Ingerir alimentos como atum, nozes ou chia que são ricos em ômega 3 é fundamental para aumentar a proteção circulatória.

Outro ponto importante é quanto à ingestão de potássio, durante a atividade física a pressão sanguínea naturalmente fica mais elevada e o potássio tem papel primordial no controle dela. O potássio ajuda na melhoria da elasticidade dos vasos sanguíneos e equilibra a quantidade de sódio.

Chegamos à dica final do artigo e com toda certeza a mais importante, a prevenção é e sempre será o melhor remédio. Mesmo se você tiver sido liberado para praticar atividade física, isso não quer dizer que você está livre de riscos.

Durante a pratica você deve estar sempre se monitorando e caso sinta qualquer incomodo. Se você sentir uma grande falta de ar, palpitação, dor no peito ou nas costas e tonturas, durante ou após a corrida, você deve interromper imediatamente a atividade física e procurar o quanto antes o seu médico de confiança.

Finalizamos aqui mais um artigo e queremos convidar a todos para continuar em nosso site. Você que gosta de correr, temos diversos artigos com dicas de vestuário, alimentação e hidratação esperando a sua visita.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.