A epilepsia é uma desordem cerebral em que uma pessoa tem convulsões repetidas ao longo de um período de tempo. As convulsões são episódios de atividade do cérebro perturbado que causam mudanças na atenção ou comportamento.

Causas da epilepsia

A epilepsia ocorre quando mudanças permanentes no tecido cerebral levam o cérebro a ser muito excitável ou nervoso. O cérebro envia sinais anormais. Isto resulta em repetidas convulsões imprevisíveis. Uma única crise que não volte a acontecer não é epilepsia. A epilepsia também pode ocorrer devido a uma condição médica ou lesão que afete o cérebro ou a causa pode ser desconhecida (idiopática). As causas mais comuns de epilepsia incluem:

  • Acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório;
  • Demência, tal como a doença de Alzheimer;
  • Traumatismo crânio-encefálico;
  • Infecções, incluindo abcesso cerebral, meningite, encefalite e SIDA/AIDS;
  • Problemas cerebrais que estão presentes no momento do nascimento (defeito cerebral congênito);
  • Lesão cerebral que ocorre durante ou próximo ao nascimento;
  • Doenças do metabolismo presentes ao nascimento (como fenilcetonúria);
  • Tumor cerebral;
  • Vasos sanguíneos anormais no cérebro;
  • Outras doenças que danificam ou destroem o tecido cerebral;
  • Uso de certos medicamentos, incluindo antidepressivos, tramadol, cocaína e anfetaminas.

Convulsões da epilepsia geralmente começam entre as idades de 5 e 20,  mas podem acontecer em qualquer idade. Pode haver uma história familiar de convulsões ou epilepsia.

Sintomas da epilepsia

Os sintomas variam de pessoa para pessoa. Algumas pessoas podem simplesmente parar e olhar fixamente a um ponto, enquanto outros têm agitação violenta e perda dos sentidos. O tipo de convulsão depende da parte do cérebro afetada e da causa da epilepsia.

Na maioria das vezes, a convulsão é semelhante a anterior. Algumas pessoas com epilepsia têm uma sensação estranha (como formigamento, cheirar um aroma que não está realmente lá, ou alterações emocionais) antes de cada ataque. Isto é chamado de aura.

Exames e testes para epilepsia

O médico irá realizar um exame físico , que incluirá um olhar detalhado sobre o cérebro e o sistema nervoso. Um eletroencefalograma será feito para verificar a atividade elétrica no cérebro. As pessoas com epilepsia, muitas vezes, tem uma atividade elétrica anormal vista neste teste. Em alguns casos, o teste pode mostrar a área do cérebro onde as convulsões começam. O cérebro pode parecer normal após uma convulsão ou entre convulsões.

Para diagnosticar epilepsia ou se planejar para uma cirurgia de epilepsia:

  • Você pode precisa usar um gravador de EEG por dias ou semanas, enquanto você vive sua rotina normal;
  • Você pode precisar ficar em um hospital especial, onde a atividade do cérebro pode ser ser assistida em câmeras de vídeo.

Os testes que podem ser feitos incluem:

  • Química do sangue;
  • Açúcar no sangue;
  • Hemograma completo;
  • Testes de função renal;
  • Testes de função hepática;
  • Punção lombar;
  • Testes de doenças infecciosas;
  • Ressonância magnética e tomografias são muitas vezes usadas para encontrar a causa e localização do problema no cérebro.
Evitando a epilepsia

Com os cuidados certos, as crises convulsivas da epilepsia podem ser evitadas e até acabarem naturalmente. (Foto: www.stemcellmd.org)

Tratamento para a epilepsia

O tratamento para a epilepsia pode envolver cirurgia ou medicação. Se as convulsões epilépticas são devido a um tumor, vasos sanguíneos anormais, ou sangramento no cérebro, a cirurgia para tratar estes distúrbios podem fazer as convulsões cessarem.

A medicação para prevenir convulsões, chamados anticonvulsivantes, pode reduzir o número de crises futuras. Estes medicamentos são tomados por via oral. O tipo você depende do tipo de ataques que você tem. A sua dosagem pode precisar de ser alterada ao longo do tempo . Você pode precisar de exames de sangue regulares para verificar se há efeitos colaterais.

Sempre tome sua medicação no tempo e conforme as instruções. Deixar de tomar uma dose pode levar você a ter uma convulsão. Nunca pare de tomar ou alterar a medicação sem falar com o seu médico primeiro.

Muitos medicamentos de epilepsia causam defeitos de nascimento. Mulheres que pretendem engravidar devem consultar o médico com antecedência afim de ajustar a medicação. A epilepsia que não fica melhor depois que dois ou três medicamentos anti-convulsivos foram tentados é chamada de “epilepsia refratária”.

A cirurgia para remover as células cerebrais anormais causando as convulsões podem ser úteis para alguns pacientes. A cirurgia para colocar um estimulador de nervo vago pode ser recomendada. Este dispositivo é semelhante a um marcapasso cardíaco. Pode ajudar a reduzir o número de convulsões.

Às vezes, as crianças são colocadas em uma dieta especial para ajudar a evitar convulsões. A mais popular é a dieta cetogênica. Uma dieta com baixo teor em carboidratos, tais como a dieta de Atkins, também pode ser útil em alguns adultos.

Mudanças de estilo de vida ou médicas podem aumentar o risco de um ataque em uma pessoa com epilepsia. Converse com seu médico sobre:

  • Novos medicamentos prescritos, vitaminas ou suplementos;
  • Estresse emocional;
  • Doença, especialmente infecções;
  • Falta de sono;
  • Gravidez;
  • Ignorando doses de medicamentos para epilepsia;
  • Uso de álcool ou outras drogas recreativas.

Outras considerações:

  • Pessoas com epilepsia devem usar acessórios de alerta médico para que o tratamento médico imediato possa ser obtido se ocorrer uma convulsão;
  • Pessoas com epilepsia mal controlada não devem dirigir;
  • Evite máquinas ou atividades onde a perda de consciência pode causar grande perigo, como subir em lugares altos, andar de bicicleta e nadar sozinho.

Grupos de suporte para epilepsia

O estresse causado por ter epilepsia (ou ser um cuidador de alguém com epilepsia) geralmente pode ser aliviado por aderir a um grupo de apoio. Nesses grupos, os membros compartilham experiências e problemas em comum.

Prognóstico da epilepsia

Algumas pessoas com epilepsia podem ser capazes de reduzir ou mesmo parar os seus medicamentos anti-convulsivos depois de ficarem sem crises durante vários anos. Certos tipos de epilepsia infantil desaparecem ou melhoram com a idade, geralmente na adolescência ou começo dos 20 anos.

Para muitas pessoas, a epilepsia é uma condição ao longo da vida. Nestes casos , os medicamentos anti-convulsivos precisam ser continuados. Há um risco muito baixo de morte súbita com epilepsia. No entanto, ferimentos graves podem ocorrer se a crise ocorre durante a condução ou quando estiver operando algum equipamento.

Complicações possíveis para a epilepsia

  • Dificuldades de aprendizagem;
  • Inspirar alimentos ou saliva para os pulmões durante uma convulsão, o que pode causar pneumonia por aspiração;
  • Lesão por quedas, colisões, mordidas auto-infligidas, dirigir ou operar máquinas durante uma convulsão;
  • Danos permanentes no cérebro (acidente vascular cerebral ou outros danos);
  • Efeitos colaterais dos medicamentos.

Quando entrar em contato com um profissional médico?

Ligue para o seu número de emergência local (como 190) se é a primeira vez que uma pessoa tenha tido uma convulsão, a crise ocorre em alguém que não está usando uma pulseira de identificação médica (que tem instruções sobre o que fazer).

No caso de alguém que tenha tido convulsões antes, ligue para o 190 quando for um ataque mais forte do que a pessoa tem normalmente ou um número incomum de convulsões para a pessoa, convulsões repetidas durante alguns minutos, convulsões repetidas onde a consciência ou comportamento normal não é recuperado entre eles (estado epiléptico).

Chame o seu médico se ocorrer quaisquer novos sintomas, incluindo possíveis efeitos secundários dos medicamentos (sonolência, agitação, confusão, sedação ou outros), náuseas ou vômitos, erupção cutânea, perda de cabelo, tremores ou movimentos anormais ou problemas com a coordenação.

Prevenção da epilepsia

Geralmente, não existe maneira conhecida para prevenir epilepsia. No entanto, com uma dieta adequada e sono e ficando longe de drogas ilícitas e álcool pode diminuir a probabilidade de desencadear convulsões em pessoas com epilepsia.

É possível reduzir o risco de lesões na cabeça vestindo capacetes durante atividades de risco, o que pode ajudar a diminuir a chance de desenvolver epilepsia.

Pessoas com epilepsia de difícil controle não devem dirigir. Se tiver epilepsia de difícil controle, você também deve evitar atividades onde a perda de consciência poderia causar grande perigo, como subir em lugares altos , andar de bicicleta e nadar sozinho.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.