A intoxicação alimentar, é o resultado de comer alimentos contaminados, estragados ou tóxicos. Os sintomas mais comuns de intoxicação alimentar incluem náuseas, vômitos e diarreia. Embora seja bastante desconfortável, a intoxicação alimentar não é incomum, e pode afetar qualquer pessoa em qualquer idade.

Sintomas de intoxicação alimentar

Se você tiver intoxicação alimentar, as chances são de que não será despercebida. Os sintomas podem variar de acordo com a origem da infecção. O período de tempo necessário para que os sintomas apareçam também depende da fonte da infecção, mas pode variar desde apenas 1 hora até 1 mês. Casos comuns de intoxicação alimentar geralmente incluem pelo menos três dos seguintes sintomas:

  • Cólicas abdominais
  • Diarréia
  • Vômito
  • Perda de apetite
  • Febre baixa
  • Fraqueza
  • Náusea
  • Dores de cabeça

Os sintomas de intoxicação alimentar potencialmente fatal incluem:

  • A diarreia persistente por mais de três dias
  • Uma febre superior a 38,5º C
  • Dificuldade para ver ou falar
  • Sintomas de desidratação severa, que podem incluir boca seca, urinando muito pouco ou nada, e dificuldade em manter os fluídos no organismo
  • Urina sangrenta

Se você tiver algum desses sintomas, entre em contato com seu médico imediatamente.

Intoxicação alimentar: causas

A maioria das intoxicações alimentares pode ser atribuída a uma das seguintes três principais causas:

Bactérias

As bactérias são, de longe, a causa mais prevalente de intoxicação alimentar. Ao pensar em bactérias perigosas, nomes como E. coli, Listeria e Salmonella vem à mente por uma boa razão. Salmonella é, de longe, o maior culpado de casos graves de intoxicação alimentar Campylobacter e C. botulinum (botulismo) são duas bactérias menos conhecidas e potencialmente letais que podem espreitar nos nossos alimentos.

Parasitas

A intoxicação alimentar causada por parasitas não é tão comum quanto a intoxicação alimentar causada por bactérias, mas os parasitas espalhados pelos alimentos ainda são muito perigosos. Toxoplasma é o parasita mais frequentemente observado em casos de intoxicação alimentar. É tipicamente encontrado em caixas de areia de gato. Os parasitas podem viver em seu trato digestivo não detectados por anos. No entanto, as pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos e mulheres grávidas correm riscos de efeitos colaterais graves se os parasitas se residirem nos intestinos.

Vírus

A intoxicação alimentar também pode ser causada por um vírus. O norovírus causa mais de 19 milhões de casos de intoxicação alimentar a cada ano. Em casos raros, pode ser fatal. O sapovírus, o rotavírus e o astrovírus trazem sintomas semelhantes, mas são menos comuns. O vírus da hepatite A é uma condição grave que pode ser transmitida através dos alimentos.

Intoxicação alimentar

Identifique os sintomas da intoxicação alimentar e busque um tratamento o quanto antes para evitar que a situação se agrave. (Foto: Healthy Living Benefits)

Como os alimentos se contaminam?

Os agentes patogênicos podem ser encontrados em quase todos os alimentos que os humanos comem. No entanto, o calor do cozimento geralmente mata patógenos nos alimentos antes de atingir nosso prato. Os alimentos comidos crus são fontes comuns de intoxicação alimentar porque não passam pelo processo de cozimento.

Ocasionalmente, os alimentos entrarão em contato com os organismos em matéria fecal. Isso geralmente ocorre quando uma pessoa que prepara comida não lava as mãos antes de cozinhar.

A carne, os ovos e os produtos lácteos são frequentemente contaminados. A água também pode estar contaminada com organismos que causam doenças.

Quem está em risco de intoxicação alimentar?

Qualquer um pode ter um intoxicação alimentar. Estatisticamente falando, quase todos irão ter intoxicação alimentar pelo menos uma vez em suas vidas.

Existem algumas populações mais ameaçadas do que outras. Qualquer pessoa com um sistema imunológico prejudicado ou uma doença auto-imune pode ter maior risco de infecção e um maior risco de complicações decorrentes de intoxicação alimentar.

As mulheres grávidas estão mais em risco porque seus corpos estão lidando com mudanças em seu metabolismo e sistema circulatório durante a gravidez. Os indivíduos idosos também enfrentam um risco maior de contrair intoxicação alimentar porque seus sistemas imunológicos podem não responder rapidamente a organismos infecciosos. As crianças também são consideradas uma população em risco porque seus sistemas imunológicos não são tão desenvolvidos quanto os adultos. As crianças pequenas são mais facilmente afetadas pela desidratação de vômitos e diarreia.

Intoxicação alimentar: diagnóstico

Seu médico pode diagnosticar o tipo de intoxicação alimentar com base em seus sintomas. Em casos graves, testes de sangue, testes de fezes e testes em alimentos que você comeu podem ser conduzidos para determinar o que é responsável pela intoxicação alimentar. Seu médico também pode usar um teste de urina para avaliar se um indivíduo está desidratado como resultado de intoxicação alimentar.

Como é tratada a intoxicação alimentar?

A intoxicação alimentar geralmente pode ser tratada em casa, e a maioria dos casos irá resolver dentro de três a cinco dias.

Se você tem intoxicação alimentar, é crucial permanecer hidratado adequadamente. As bebidas isotônicas podem ser úteis para isso. Suco de frutas e água de coco podem restaurar carboidratos e ajudar com a fadiga.

Evite a cafeína, o que pode irritar o aparelho digestivo. Os chás descafeinados com ervas calmantes como camomila, hortelã e dente de leão podem acalmar um estômago irritado.

Medicamentos sem receita médica podem ajudar a controlar a diarreia e suprimir a náusea. No entanto, você deve verificar com seu médico antes de usar esses medicamentos, pois o corpo usa vômitos e diarreia para eliminar o sistema da toxina. Além disso, o uso desses medicamentos pode encobrir a gravidade da doença e fazer com que você demore a procurar o tratamento especializado. Também é importante para aqueles com intoxicação alimentar descansarem bastante.

Em casos graves de intoxicação alimentar, indivíduos podem necessitar de hidratação com líquidos intravenosos (IV) em um hospital. Nos pior casos de intoxicação alimentar, uma hospitalização mais longa pode ser necessária enquanto o indivíduo se recupera.

Dieta para intoxicação alimentar

É melhor reduzir gradualmente os alimentos sólidos até que o vômito e a diarreia tenham passado e, em vez disso, voltar devagar para a sua dieta regular, comendo alimentos simples para digerir, sem gordura e com pouca gordura, tais como:

  • Bolachas salgadas
  • Gelatina
  • Bananas
  • Arroz
  • Aveia
  • Caldo de galinha
  • Batatas sem óldeo
  • Vegetais cozidos
  • Torradas
  • Bebidas sem cafeína (menos refrigerantes)
  • Sucos de frutas diluídos
  • Bebidas isotônicas

Para evitar que seu estômago fique pior, tente evitar os seguintes alimentos mais difíceis de digerir, mesmo se você acha que se sente melhor:

  • Produtos lácteos, especialmente leite e queijos
  • Comidas gordurosas
  • Alimentos altamente temperados
  • Alimentos com alto teor de açúcar
  • Alimentos picantes
  • Comidas fritas
  • Cafeína (refrigerantes, bebidas energéticas, café)
  • Álcool

Você também deve evitar a nicotina, apesar de não ser um alimento

Embora a intoxicação alimentar seja bastante desconfortável, a boa notícia é que a maioria das pessoas se recupera completamente dentro de 48 horas. A intoxicação alimentar pode ser fatal, mas isso é extremamente raro.

Como evitar a intoxicação alimentar?

A melhor maneira de evitar a intoxicação alimentar é lidar com a comida com segurança e evitar qualquer alimento que não seja seguro.

Alguns alimentos são mais propensos a causar intoxicação alimentar por causa da forma como são produzidos e preparados. Carnes, aves, ovos e mariscos podem abrigar agentes infecciosos que são mortos durante o cozimento. Se esses alimentos são comidos em sua forma crua, não cozinhados adequadamente, ou se as mãos e as superfícies não são limpas após o contato, pode ocorrer a intoxicação alimentar.

Outros alimentos que são susceptíveis de causar intoxicação alimentar incluem:

Sushi e outros produtos de peixe que são servidos crus ou mal cozidos

Carnes congeladas e cachorros-quentes que não são aquecidos ou cozidos

Carne moída, que pode conter carne de vários animais

Leite não pasteurizado, queijo e suco

Frutas e vegetais crus e não lavados

Sempre lave as mãos antes de cozinhar ou comer alimentos. Certifique-se de que sua comida esteja devidamente selada e armazenada. Cozinhe completamente carnes e ovos. Qualquer coisa que entre em contato com produtos crus deve ser sanitizada antes de usá-la para preparar outros alimentos. Certifique-se de sempre lavar frutas e vegetais antes de servir.

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas. Estamos aqui para ajudar!

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.